segunda-feira, 31 de maio de 2010

UM SONHO



Minha Colcha de Retalhos:
Acordei. fiquei pensando no sonho que tive. Como mostrou minha ansiedade atual. Minha vontade é poder explicá-lo, pois compreendo por inteiro, mas é difícil colocá-lo em palavras. Medito. E como seria bom já ter em minhas mãos a direção certa para conduzir minha vida. Percebo que tenho de aprender a converter toda a energia disponível às mudanças que me são necessárias, ao invés de empregá-la no julgamento de outras pessoas. Sei que tenho de cuidar para não soltar a minha mão da mão da coerência durante meu percurso. Sincronizar o meu passo com as limitações alheias e recordar mais vezes o quanto é trabalhoso amadurecer. Gostaria de esquecer o termo egoísmo, e acreditar no altruísmo. Espero que as dificuldades que venho experimentando ao longo da minha jornada não me roubem o encanto pela vida nem a capacidade e a coragem de poder sonhar com esperança, um pouquinho mais a cada dia, podendo eu mesma administrar minhas energias.

É difícil lidar com o desconhecido, faz parte do aprendizado da vida. É tão bom poder partilhar a vida, sem cobranças, respeitando o jeito de cada um, por mais diferente que possa parecer. O caminho que escolhi conheço bem. O difícil é saber que o caminho que o outro escolheu, irá alterar o meu, vai depender se vou ser livre e agir com o coração. Sei que todo ser é único, como uma caixa de lápis, posso colorir com todas as cores, mas preciso deixar minha alma livre para quem quiser chegar, e não julgar quem não se permite. Que eu me enamore com a pureza das almas que vivem cada encontro com os tons mais contentes da sua caixa de lápis de cor.

Não quero ser especialista em justificativas, porque fica evidente que quem procura justificativa sempre encontrará ‘desculpas’ para escapar das suas responsabilidades. Não consigo lidar com esse universo, que tece centenas de parágrafos sem dar o recado pretendido porque suas palavras são sempre dúbias. Não posso me intimidar com a covardia desses que procura me conduzir a uma areia movediça.

Prefiro o meu universo, pés firmes no chão como a música que consegue frutificar os sonhos. E que a cada manhã, ao acordar, eu consiga despertar um pouco mais para o que verdadeiramente me interessa poder conduzir minha vida com harmonia, de maneira simples, podendo deixar para trás a quantidade de energia desperdiçada com tantas tolices, ansiedades, e direcioná-la para o que é útil, para levar luz a algumas sombras, a começar pela minha. Preciso compartilhar delicadezas, compreensão e não mais desperdiçar energia com perigos imaginários e com uma série de bobagens que só me afastam da vida e me tiram energia dinâmica.

Chega de deixar escapulir as oportunidades capazes de bordar mais alegrias na minha vida. Desejo criar mais oportunidades para dizer o meu amor, expressar minha admiração e expressar a cada pessoa a beleza singular que ela tem e também me presentear com agrados que me nutrem. Desejo esquecer tolices, ignorar o que no fim das contas, não tem a menor importância, chorar toda dor que não transbordou e virou nódoa no tecido da vida e deixar o tempo escoar inutilmente entre os dedos das horas. Desejo, desfazer enganos, fazer as pazes, dizer obrigado me desculpa, eu te amo. Desejo abraçar cada pessoa amada com aquele abraço bom que faz um coração cantar para o outro. E, enfim poder saborear com calma, como se servissem um banquete, para apreciar a vida com o entusiasmo que não guarda nenhuma delícia nem ternura para depois.

Mesmo que com medo, desejo avançar, não quero perceber que embora desejasse grande, amei pequeno. Que a ternura que existe em mim jamais se encabule, e a delicadeza continue e morar comigo e consiga com sabedoria ‘viajar’ nos meus sonhos saborear, brincar, acreditar, rever paisagens já contempladas, com olhos admirados, de quem se encanta pela primeira vez. E, diante de cada beleza, o meu olhar inaugure detalhes, ângulos, leituras, que passaram despercebidos no olhar anterior. Que meus olhos quando adormecerem não sonhe mais pesadelos, incertezas, medos. Preciso despertar a rigidez que me acompanha.

No seu lugar desejos aprender a ser cada vez mais maleável comigo e com os outros, e rir mais e mais. Sonhar com boas vindas que trazem descanso e alegria na minha cesta da vida. Sonhos que derrubem cercas e desenhem pontes. Sonhos que desembrulham lembranças que deixam o meu instante todo perfumado de Deus. Sonho generoso que bordem Sol no tecido da alma com seus lindos fios de amor, bordados para desembaraçar os fios dos medos que me acompanham e no seu lugar, sonhos que me façam rir até o meu coração dançar.



"Sonhar é acordar-se para dentro:de súbito me vejo em pleno sonho e no jogo em que todo me concentro mais uma carta sobre a mesa ponho."Mário quintana

Ansiando Sonhos melhores com amor e carinho,
Sílvia




7 comentários:

Ricardo Fabião disse...

Sílvia...
primeiro desculpe-me a ausência, embora estando longe daqui a perda seja mais minha.

Linda tua postagem. É uma verdadeira ode ao mais suave convívio humano. Teu poeta maior estaria orgulhoso de ti.

Insista na busca de seu eixo, de sua felicidade, de modo a também fazer feliz o próximo.
A maior luta dos que têm consciência é travada consigo; lá no íntimo, onde só cabe um.

Beijos.
Ricardo.

Silc disse...

Obrigada meu Amigo.
Estou me reinventando todos os dias. Mas passo-a-passo. rsrsrs
Com carinhi
Silvia

Tânia regina Contreiras disse...

São desejos esses que, de certo modo, já se realizam, porque o desejo é o começo de tudo. Há lucidez e vontade de trilhar caminhos novos, que virão!
Obrigada pela presença na Casa da Imaginação, Silvia.

Abraços,
Tânia

Marcantonio disse...

Sei o que é esse desejo de se construir, se estender, se tornar maleável para melhor absorver os impactos negativos e, ao mesmo tempo,poder fazer dos positivos dádivas que precisem ser urgentemente compartilhadas. Como disse a Tânia, se o desejo já existe, é porque a senda já está aberta, os primeiros passos já foram dados ao encontro dessa maior disponibilidade para ser e doar-se. Muito bom, Sílvia. Exala sinceridade.

Um abraço carinhoso.

Leo disse...

Eu acordei hoje pensando sobre meus sonhos, e pensei estarem num alto muito dificil de eu alcançar, estava matando a esperança, mas ler o seu post, principalmente a parte final, me trouxe renovo e jã não mato mais a esperança. Obrigado!
Beijos pra ti!

Nydia Bonetti disse...

Que texto incrível, Silvia. Um sonho que nos faz acordar, como diria Quintana. Preciso urgentemente me reinventar - e não posso esperar mais 4 anos para fazer isso... rss Preciso de verdade me reorganizar (primeiro interiormente) e encontrar tempo para mim e para os amigos, que é o que faz a vida valer a pena. Bom domingo! Abraços pra sorella!

Lua Nova disse...

O seu desejo de reconstruir-se, reinventar-se dia a dia é o meu também. Seu texto é maravilhoso e expõe, à minha percepção, sua alma generosa, intensa, vibrante,e amorosa.
Estarei sempre por aqui para acompanhar vc e seus textos, suas idéias e sentimentos trabalhados durante a construção desta linda colcha de retalhos.
Obrigada por tua visita e volte sempre, por favor.
Beijos.