quinta-feira, 8 de julho de 2010

PEQUENINA - Para Leca!

Um carinho especial , hum Mais Retalho Que Bordo NA Minha Colcha de Retalhos. Hoje Parágrafo querida Leca . Na Sua Casa Mente flutua Que descobrimos Algo em Comum, enriquecem nsa Que, Aumenta Aprendizado Nosso e ncvs proporciona momentos de Sabedoria . São Tão lindas Poesias de Florbela Espanca ... Percebemos Que se CADA Uma de Nós postarmos Uma poesia , Mais Que Uma gostamos , UM OU Que temos lido por último, logo tera muitas Coisas lindas da inesquecível Florbela Espanca. Para VOCÊ Leca escolhi " Pequenina "!


PEQUENINA

És pequenina e ris ... Um breve boca
E Um Pequeno Idílio cor -de- rosa ...
Haste de lírio frágil e mimosa !
Cofre de beijos Feito sonho e neve !


Doce quimera Que desenvolvi Uma Nossa alma
assim Ao Céu que te Faz Tão graciosa !
Nesta Vida Que amarga e tormentosa
Te fez nascer Como perfume leve hum!


O TEU gente ver o Bem Faz Olhar à ...
E Cheira e SABE , Uma boca Nossa , a flores
QUANDO TEU Diz o Nome, Suavemente ...


Pequenina Que sonhou Uma Mãe,
Que ELA afaste de ti Aquelas dores
Que fizeram de Mim Que Sou ISTO !

HA terra Uma Palavra nd
Encantos Tem Que do Céu ;
Não e Amor , Nem Esperança
TEU Nem Sequer o Nome .

Essa Palavra doce Tao,
De Tanta suavidade ,
Que me Faz chorar de dor
QUANDO UM murmuro : É saudade !

Florbela Espanca
em O livro de mágoas

Com amor e carinho ,
Sílvia

8 comentários:

Leca disse...

Sil...
Muito Obrigada...
Fico muito...muito...agradecida
Ficou lindo...
Não conhecia esse poema de Florbela Espanca...
Achei lindo...
Vou guardar com muito carinho...
muito obrigada...Sil...
Te deixo um que adoro...
é até difícil escolher...
um entre tantos...
beijos...
Leca

Suavidade

Poisa a tua cabeça dolorida
Tão cheia de quimeras, de ideal
Sobre o regaço brando e maternal
Da tua doce Irmã compadecida.

Hás de contar-me nessa voz tão q'rida
Tua dor infantil e irreal,
E eu, pra te consolar, direi o mal
Que à minha alma profunda fez a Vida.

E hás de adormecer nos meus joelhos...
E os meus dedos enrugados, velhos,
Hão de fazer-se leves e suaves...

Hão de poisar-se num fervor de crente,
Rosas brancas tombando docemente
Sobre o teu rosto, como penas d'aves...

Florbela Espanca...
"Livro de Sóror Saudade"

Izabel disse...

Olá, migrei do blog da Leca e me encantei com sua casa.Tornei-me seguidora. Parabens.

Bláh Limberger disse...

Oi querida Sílc, minha adorada Costureira-Percadora! Desculpa a demora em comentar a reforma da tua/nossa Colcha - é que estive de viagem, buscando o centro do meu universo, minha filha Camila, para passar este mês comigo passeando por todo o Rio Grande.
Adorei o visual e - claro - os textos, de uma delicadeza e sensibilidade incríveis! Quanto ao posto: também gosto muito da Florbela, assim como de outros seres especiais que como ela souberam transitar entre vários mundos e nos trazer as cores de cada um deles.
Parabéns!
Grande abraço do Bláh!

ErikaH Azzevedo disse...

Hj teceste tua cocla com linhas de ternura, tecidos de uma cor e sabor de doçura sem fim...amei o poema pequenina. ludico, um pedaço de magia. Uma vontade imensa de parar de crescer...rs

Bjos para a menina

Erikah

Leo disse...

Síl, linda postagem, gosto muito de Florbela, eu cresci lendo as poesias dela.

Um Beijão grande pra ti.

Sílc disse...

Meus Amores. Como é bom receber comentários tão carinhosos que me deixam tão feliz, principlmente por estar tendo de enfrentar um imprevisto ousado, desagrádavel, inquietante, que está me ocorrendo no momento. Obrigada por tanto amor e carinho de vocês todos. Amo-os!
Sílvia

Bípede Falante disse...

Parabéns!!!! Vim só dar um beijinho de sucesso pelo seu novo endereço.

Leca disse...

Sil...
que lindo...
adorei...verdadeiramente...
linda essa homenagem...
muito obrigada ...
pelo carinho...
pela amizade...
Muitos beijos
Querida...
Leca