sábado, 25 de setembro de 2010

MEUS SEGREDOS... Crônica de uma vida.

MEUS SEGREDOS... Crônica de uma vida.
São aqui nestas gavetas que você encontra todos os meus segredos... Na Minha Colcha dRetalhos, está um pouco de um tudo de uma história  por mim vivída!
Estou a tricotar, costurar, bordar, tecer, fiar, alinhavar! Quantas formas de juntar os retalhos de uma vida! São aqui nestas gavetas que você encontra todos os meus segredos... RETALHOS DE UMA VIDA!
Nelas não coloquei nenhuma ferida viva,
estas ficaram lá na beira do caminho...
Quando o vento passa em forma de ciclone
ele destrói todas as mágoas e tristezas.
Lá ficou a caixa de fósforos com muita submissão,
palavras que não podiam desabrochar,
aquarela sem cores, livros sem páginas de liberdade
com asas atrofiadas.
Nas fechadas sim estão fragmentos do meu passado,
minha memória fotográfica tudo guardou...

Inocente menina participante do Clube da Luluzinha,
Os presentes em forma de sonhos de avós tão presentes,
Domingos cheios de calor humano, com macarronada, porpetas,
E na varanda todos a cantar.
Avô a contar estórias sem nunca terminá-las,
deixando curiosidade acesa até outro dia continuar...
Brinquedos de madeira,
Mãe nos presenteando com
banhos de chuva... Alma leve,
Em cada balão um sonho,
em cada pipa a alegria colorida da vida.
Até mesmo hoje penso que aquela coca-cola gostosa,
caseira, mistura de café, açúcar e água espumando,
não eram tão ruins, pois possuíam gosto de família.
Pai proporcionando conteúdo,
viagens através da leitura da Barsa.
Amores platônicos,
toppo giuggio confidente,
nas movimentadas ruas paulistas,

Momentos sempre únicos como ver o mar pela primeira vez
na praia da Biquinha em São Vicente-SP, paraíso do sonho. .
Mal sabia quando lá pisei que aquele imenso oceano
um dia tantos desafios me traria...
O meu além mar me fez suspirar, viver e naufragar.

No momento as abertas é que tem
feito Eu... Mulher... Ressuscitar...

Como aquela Bíblia que ainda possui o cheirinho
de amor da minha mãe procuro dons divinos
para iluminar meus próximos passos...

Sai da platéia, a cortina desceu... O teatro fechou.
 
Tento construir um novo espaço de amor...
Onde quero partilhar aquele ensinamento
que meus pais e avós me ensinaram...
O respeito à vida.
Somente uma mulher quando for Mãe
conseguirá entender o verdadeiro sentido
desta tão pequena palavra... Mãe...
Dom Divino..
Que vive para partilhar amor incondicional até o infinito...
Esta essência nunca desejo perder...
Amor de Mãe...
Amo também agora meu amor próprio.
Observe que deixo uma gaveta sempre mais aberta
para uma nova vida...
E venha me chamar de avó
num novo contexto de amor.

Entre achados e perdidos
a vida continua...
Aquele embrulho devolvido
possui fibra... Essência...
que atravessará todo Universo
com a esperança de novos sonhos viver
porquê:
 Nesse Texto percebo a minha essência,
onde se unem duas metades
e que me tornam inteira AMOR!

Imagens: Sílvia e Google
Formatação do Texto:
Carinhosamente:
Elisabeth Zamboneti Rylko -  http://bebezr.blogspot.com/
Nydia Bonetti - http://nydiabonetti.blogspot.com/
Texto: Sílvia Costardi
Com amor e carinho,
Sílvia

32 comentários:

nydia bonetti disse...

Ah... Silvia, seu texto já havia me comovido, e agora com estas fotos, então... ficou lindo. E a imagem das gavetas - umas que se fecham, outras permanentemente abertas, é mesmo muito forte - e doce. Como você. Que você possa preenche-las com alegria e muita paz. Beijos!

Zélia Guardiano disse...

Silvia, Silvia, Silvia...
Simplesmente encantador o seu texto!
Emocionante demais!
E as fotos, maravilhosas...
É realmente um tesouro, este seu espaço, que pretendo visitar com maior frequência. Perde-se muito, não vindo...
Enorme abraço e beijinhos, minha querida!

BEBE disse...

Silvia quando te convidei
para abrir as
tuas gavetas que estavam silenciosamente
fechadas não imaginava quantas riquezas
vividas iria encontrar.

Tua essência como menina, mulher, mãe
é tão pura e verdadeira que mesmo sem
te conhecer pessoalmente posso afirmar
que tua vida é um exemplo para todas
nós mulheres.

Tua força espiritual devemos ter...
Teus passos seguir como uma sobrevivente
da vida, uma cadência de amor absoluto e único.

Que Deus te proteja sempre
em todos os momentos pois tua beleza interior,
tua fibra principalmente
me faz admirá-la cada vez mais.

Querida tu és AMOR em todos os sentidos,
embrulho não,presente de Deus para todos
que te conhecem.
Obrigado por dividir comigo teus segredos.

Um abraço da
BEBE
(Elisabeth Zamboneti Rylko)

Sílc disse...

Quis deixar um comentário no seu site e não consegui, mas vim aqui agradecer o convite porque conheci seus segredos, suas paixões e um coração maravilhosamente romântico.
Bjus ensolarados em seu coração.

Artes&Imagens

meus instantes e momentos disse...

as moças aí encima falaram tudo que eu poderia falar...
que bom vir aqui.que bom ler voce.
Tenha um domingo feliz.
Maurizio

Machado de Carlos disse...

Sílvia,

Em primeiro lugar, agradeço-lhe por entrar em minha casa e deixá-la carregada de energias que animam o meu espírito.
Olha só, quantas coisas belas guardadas! Como gosto de desvendar segredos!...

Grandes beijos por aí!

MZ disse...

Nossos segredos, nossas memórias...
Também gosto de escrever sobre memórias, assim marcamos a 'nossa história'.

Gostei de a ler.
Bj

heloasinari disse...

A VIDA NÃO TEM SÓ JANELAS, PORTAS E CASAS. TEMOS COMODAS ABARROTADAS QUE CONTEM COISAS QUE PRECISAM CIRCULAR. SEI QUE TENHO JANELAS ABERTAS PRÁ VC. E QUE NA SUA COMODA VC DEIXOU UM LUGAR NUMA GAVETA PRÁ MIM.
P.S.
TENHO UMA FOTO NA BIQUINHA DE SÃO VICENTE. MAS DIFERENTE DE VC O MAR AINDA NÃO ME LEVOU. QUEM SABE AO ABRIR UMA GAVETA LE ME LEVE.
P.S 2
AMIGA COMO VC ESCREVE BEM...CRUPET

Lou Witt disse...

Emocionada e sem muitas palavras para definir o sentimento de carinho e saudade que senti ao ler-te.

Nossos segredos.
Nossas raízes.
Coisas boas a serem lembradas.
Tristezas a serem esquecidas.
Nossa vida.

Prisca disse...

Ai as pipas.... os bolinhos de chuva da vovó...os bolinhos de arroz (vc esqueceu destes.....hum.....), os olhos azuis sempre a brilhar do vovô quando estávamos todos juntos...A bisa (SOFIA) que fazia aniversário junto comigo.
Adorei a gaveta aberta...pra quem um dia irá chamar-te: avó e dizer vovó amo-te muito.... (apesar deste além-mar)
Assim como a mãe sempre dirá: mãe, amo-te muito...
Que bom ver janelas abrirem, gavetas abrirem e outras, que não prestam e nem interessam fechar...
Tens o dom... de nos prender com a palavra... Pode estar no meu DNA...por ter a sorte de chamar-te: MÃE!!!!!!!

Beijos até o infinito...

Mara disse...

Amiga Sílvia...que texto cheio de emoção e verdades...vi-me dentro dele em diversas ocasiões....
Ah, essas nossas gavetas!
Sabes que, às vezes, abro antigas gavetas e foço uma faxina...jogo fora as recordações que me entristecem.
Parabéns pela postagem...Um texto de grande sensibilidade.
Beijos e boa smana pra ti.

Sílc disse...

Nydia és encantadora. Me motiva, me faz nunca prar ou desistir. Mestra, Poeta que amo e está aqui no lado esquerdo para sempre.
Zélia Guardiano quanto incentivo e elogios. Me meocionam.
Bebe, minha Flor Mestra, Heloisa e Lou Poetisas que são tão presentes na minha vida, todos os dias, muito carinhosas, delicadas, prestativas amigas para todas as hora, vocêd sabem que como são queridad e especiais na minha vida. São também só AMOR!
Maurizio, Machado, MZ, que gostoso poder receber só elogios de vocês que já estão muito além de uma aprendiz, mas acreditem como seus comentários me ajudam a prosseguir. Obrigada meus queridos.
E, Prisca, minha filhota que está lá do outro lado, mas feliz. Que bom ter se lembrado da sua avó a Semente que me semeou e por isso pude te semear. Realmente seu DNA tem uma 'leitura' da Vó Wilma e aqui coloquei a minha "Vó Sophia", mãe da sua avó. Os bolinhos de chuva e de arroz que fiquem para colocar quando contar os seus momentos com ela. Lindo filha!Lembranças gostosa, saborosas, cheirosas que enchem o coração de saudades. (esquçeu da sardinha de sexta-feira só para você.*riso*)
A todos vocês fica um OBRIGADA com todo meu AMOR e EMOÇÃO que agora estão a transbordar!
Com amor e carinho
Sílvia

Sílc disse...

Mara que só encanta, lindo seu comentário. é bom , mesmo que as vezes doloroso, abrir, fechar gavetas, concordo. Obrigada por vir até aqui!
Beijos
Silvia

Lucia Alfaya disse...

Lindo texto, sensível, poético. Preciso fazer uma faxina nas minhas gavetas físicas e emocionais. Abrir portas, janelas e gavetas para deixar entrar ar fresco e borboletas. Será que é a primavera me inspirando?
Parabéns pelo blog, voltarei sempre.

Bjs

Lúcia Alfaya

Marliborges disse...

Ai que beleza de texto.
Verdadeiro e poético. Eu já aprendi a faxinar minha vida. É muito bom. A gente fica bem mais leve e com as portas, janelas e gavetas do coração, abertas, para deixar entrar o sorriso puro e a genuína felicidade. Bjsss

Sílc disse...

Lúci, Sonia e Marli obrigada pelo carinho e simpatía. Realmente é muito bom sentir-se mais leve após uma reciclada na vida e poder deixar para trás, oque não nos diz mais nada e experimentar, vivenciar, ousar o novo e prestar atenção que ainda somos competentes. Mente, coração, alma abertas para o novo...É isso mesmo!
Beijos de coração
Sílvia

VEREDAS, por Marluce disse...

Sílc,

Um texto encantador e muito poético!


Um abraço, Marluce

Leo disse...

Sil, que lindo post, quanta recordação nova, ainda que antigas, dá pra sentir que de vez enquando você abre cada gavetinha e tira o pó de todas elas e isso é importante, não devemos apagar o passado, dele se faz todo nosso presente e futuro!

Um beijogrande querida Sil, moras no coração!!!!

Andre Luis Aquino disse...

Quando um amigo visita outro amigo trás sempre consigo um presente nas mãos...o meu seria, afinal nessa condição não poderia ser diferente, algumas palavras.Gaveta aberta é como coração aberto, temos apenas idéia do que tem guardado, mas só descobrimos tirando de dentro dela, de dentro dele, tudo que antes estava lá encerrado.E o que antes guardado agora é visto ganha novamente vida, essa é a nossa viagem no tempo! Silvia como é bom viajar no tempo ao seu lado!

Mirze Souza disse...

Sílvia!

Que bom seria se pudéssemos assim fazer. Que maravilha se em gavetas coubessem nossos sentimentos amados ou não.

Seria uma forma de viver de novo!

Belíssimas imagens poéticas!

Parabéns!

Beijos

Mirze

Anakoelho disse...

Olá Sílvia!
Descbri seu blog por acaso...,estive lendo seu perfil e vc fala de um livro de "Não apresse
o rio...",fiquei curiosa,qual o nome do autor?
Mto interessante seu blog,voltarei.
Boa tarde.

Sílc disse...

Ana querida:
O livro de Pscologia Gestalt.
"Não apresse o Rio... ele corre sozinho." Barry Stevens
Esse é o nome do Livro e quando o escreveu Barry Stevens já tinha mais de 80 anos de idade. Uma sugestão? Vá no Google e colcoque 'terapia gestalt'. Encontrará o "Mentor" da Barry Stevens onde ela o descreve varias vezes nesse livro. Se não tem conhecimento sobre esse método terapeutico, leia antes de comprar o livro, pois é bem complicadinho e após o falecimento da Barry muitos métodos novos interagiram e atualmente já há um conhecimento com um leque bem mais aberto sobre a Terapia Gestalt. Eu li esse livro em 1984 dá para acreditar? Depois fui lendo outros. Hoje percebo que sempre 'amei' a maneira como a Barry Stevens escrevia, eu chegava a sentir o gosto do 'tomate', do ' arroz' quando ela descrevia, mas também percebi que não sou fã de tudo que a terapia Gestalt colocava naquele contexto dos anos 80. Não sou fã de extremos. Prefico o meio termo. Quando fui ler outros autores, não me interessaram e ai notei que de quem eu gostava era da Barry e ponto! Mas experimentar, conhecer o novo faz bem. Se desejar....
com amor e carinho,
Sílvia

Sílc disse...

Ana, se desejar coloque seu e-mail e após copiá-lo eu deletarei. Assim poderemos conversar mais e poderei te abranger com mais calma sobre...
bjs
Silvia

Lisa Alves disse...

Isso é costurar a vida escolhendo os melhores retalhos. Não fazer de sua vida uma peça trágica e cheia de feridas e sim recordar o melhor, o grandioso, a linha certa que une todos os fragmentos. Sempre bom sentir suas palavras.

abraços

Lisa

Mariane disse...

Amor também sentido!
Lindo texto Silvia
Beijos

Prisca disse...

Hoje, dia 08/10... Uma nova gaveta se abre, de um novo ano...e que essa gaveta esteja a tua espera e tu corras pra ela e lá encontres tudo que esejas...uma coisa estará com toda certeza...meu amor.
Parabéns mãe... Você merece que te aconteçam coisas boas... e que teu caminho seja calmo e pacífico.

Beijos

Filha

Helena Castelli disse...

Silvia, neste que é o teu mais especial dia quero lhe desejar todas as felicidades do mundo; das mais simples às mais complexas, das mais próximas às mais distantes.
E que elas permaneçam na sua vida todos os dias, e um pouco mais.
Feliz Aniversário. Feliz vida.

Beijos de parabéns.

Rita Contreiras disse...

Quanta delicadeza emana dessa colcha!!!Tão bom perceber que a soma de tantas vivências pode resultar em afeto, em gentilezas de vários níveis, em amor mesmo, profundo, por si e pela vida. Por tudo que a vida produziu e fez desabrochar...Emocionante!Grande e carinhoso abraço.

Marta disse...

Silvia,

agradeço, muito comovida - tanto - as suas palavras, lá no meu canto.
nem imagina, o que fizeram cá dentro.
obrigada. muito.
beijo imenso
marta

Leca disse...

Sil...
passei aqui...para te deixar parabéns...e muitas gavetas...
novas...para você guardar todas as alegrias e emoções...e trancar nelas também...as coisas desagradáveis...
Gavetas são coisas mágicas...

Sil...
Parabéns...
Beijos
Leca

Anakoelho disse...

Olá Silvia!
Passando para agradecer sua simpática visita...,mto obrigada pela delicadeza em responder-me.
Vou procurar no google como me orientou sobre Barry Stevens.
Uma boa noite e ótima semana.

armalu disse...

jà fiz asneira, coloquei meu agradecimento no lugar errado, mas sei que vai me entender. num abraço apertado de mãe para mãe ebrigado.
se blog é lindo. Depois volto vou tentar seguir-te bj